Por que (não) fazer a dieta da proteína?

Juliana Oliveira 2 de dezembro de 2013 Nutrição 0     Imprimir Imprimir

dieta proteina emagrecepinda

Tudo bem, inicialmente a dieta com baixo teor d e carboidratos pode até funcionar e garantir a perda de peso. Mas você sabia que, com o tempo, a velocidade de emagrecimento vai diminuindo?

Isso mesmo! Após um ano, não há diferença alguma entre essa dieta e uma alimentação equilibrada, mas com menor teor de calorias. Sem falar nas desvantagens ao organismo que as dietas inspiradas na teoria do Dr. Atkinstrazem. Veja a seguir.

O mal da cetose

Uma das principais consequências da dieta com baixo teor de carboidratos é a cetose, ou quebra da gordura acumulada no próprio corpo, feita pelo fígado (e que causa o emagrecimento). Esse processo é resultado da busca do corpo por energia, na falta dos carboidratos, e gera ácidos graxos e corpos cetônicos (cetona).

O elevado teor de cetona não é um estado normal do organismo e pode causar mal-estar, fraqueza, fadiga, náusea, mau hálito e tontura. E o mais grave: ainda não são conhecidos todos os danos que um quadro de cetose crônica pode causar.

E as fibras?

Além disso, reduzir drasticamente os carboidratos da alimentação diminui o teor de fibras (encontrados em alimentos de origem vegetal) – inclusive, ele chega praticamente a zero.

O resultado é a constipação, que pode se tornar grave com o passar do tempo e precisar de intervenção médica.

De olho na saúde

Dessa forma, mesmo que você esteja acima do peso e com necessidade urgente de emagrecer, lembre-se de que a saúde a curto e longo prazo deve ser sua maior preocupação. Com uma alimentação com poucos carboidratos, o corpo fica sem energia e indisposto.

Seu metabolismo foi planejado para uma dieta de frutas, verduras, legumes, cereais integrais, carnes, leite, ovos e certa dose de gordura. Tudo em equilíbrio e nada em exagero, por mais que as promessas pareçam milagrosas.


Participe do Programa Emagrece, Pinda!

Compartilhe com seus amigos e vamos emagrecer juntos!

Quem escreveu

Juliana Oliveira

Graduada em Nutrição pela Universidade de Taubaté/2007, especialista em Nutrição Clínica pelo Instituto de Pesquisa do Hospital Albert Einstein/SP; especialista em Nutrição Esportiva pela Universidade Gama Filho/SP.

Deixe seu Comentário