Correr em grupo ou sozinho?

Juliana Oliveira 14 de setembro de 2012 Atividade Física 0     Imprimir Imprimir

A motivação da turma só é bem-vinda quando está de acordo ao seu perfil de treino

A independência é um dos principais atrativos deste esporte. Você pode correr em qualquer lugar, na hora que preferir e não precisa de um time. É verdade que o planejamento e a orientação profissional fazem a diferença na evolução e no rendimento do treino.

Mas há quem goste de praticar esportes em turma e encontre nos colegas mais motivação. Nenhum problema nisso, desde que cada um conte com uma planilha de treino própria e tenha feito as avaliações clínicas iniciais.

A sociabilização, a troca de experiências e o contato com pessoas de estilo de vida e objetivo semelhante aos seus causa uma empatia a mais. Pensando naquele bate-papo animado, por exemplo, dá mais vontade sair da cama e calçar o tênis ou trocar a happy hour pelo pique no parque.

O maior perigo dos treinos em grupo, entretanto, é a competição inadequada. Cada indivíduo tem suas particularidades e não deve se espelhar no rendimento do outro. Só o professor tem condições de medir o seu nível de esforço e ver se está na hora de aumentá-lo. A sorte grande, portanto, é achar companheiros com características físicas, nível e metas similares às suas.

Por outro lado, o time que prefere fazer da corrida um momento de reflexão tem muita criatividade. Há quem pratique inglês, com aulas em áudio. Outros fazem uma seleção especial e passam o treino ouvindo música. O esporte serve até como um momento para fazer orações (não é raro encontrar atletas com um terço na mão).

Desde que nada disso atrapalhe sua concentração, vá em frente. Quem treina na rua, costuma ter de enfrentar cruzamentos e avenidas muito movimentadas. Qualquer segundo de desatenção pode ser muito perigoso.


Participe do Programa Emagrece, Pinda!

Compartilhe com seus amigos e vamos emagrecer juntos!

Quem escreveu

Juliana Oliveira

Graduada em Nutrição pela Universidade de Taubaté/2007, especialista em Nutrição Clínica pelo Instituto de Pesquisa do Hospital Albert Einstein/SP; especialista em Nutrição Esportiva pela Universidade Gama Filho/SP.

Deixe seu Comentário